top of page
  • Foto do escritorAdmin

Processo administrativo disciplinar em casos de assédio moral e sexual

Atualizado: 2 de jun.

Siga o Prof. Aniello no instagram para saber mais sobre suas palestras, cursos, podcasts etc- Clique aqui


O assédio moral e sexual é um problema recorrente em diversos ambientes de trabalho, inclusive no serviço público. Quando o agente público é acusado de praticar esse tipo de conduta, é iniciado um processo administrativo disciplinar para apurar as denúncias e aplicar as medidas cabíveis.


Nesse contexto, é importante destacar que o processo administrativo disciplinar em casos de assédio moral e sexual segue as mesmas regras e procedimentos previstos na legislação e nos regulamentos internos do órgão público em que o servidor está lotado. No entanto, é necessário que o processo seja conduzido com maior cautela e atenção, uma vez que os crimes de assédio são de extrema gravidade.


O processo administrativo disciplinar em casos de assédio moral e sexual tem como objetivo principal investigar as denúncias de forma minuciosa, garantindo a ampla defesa e o contraditório, e aplicar as penalidades cabíveis, que podem variar de acordo com a gravidade do caso. As penalidades aplicáveis em casos de assédio vão desde advertência até a demissão do servidor público.


Para que o processo seja conduzido de forma adequada, é fundamental que a vítima apresente todas as provas e indícios que comprovem a prática do assédio. Além disso, é importante que o órgão público ofereça suporte psicológico e jurídico à vítima, garantindo que ela seja tratada com dignidade e respeito em todo o processo.


O servidor público acusado de assédio também tem direito à ampla defesa e ao contraditório, podendo apresentar suas alegações e provas em sua defesa. É importante destacar que a simples acusação de assédio não é suficiente para condenar o servidor, sendo necessário que as provas apresentadas sejam consistentes e suficientes para comprovar a prática do crime.


Caso o processo administrativo disciplinar em casos de assédio moral e sexual seja concluído com a aplicação de penalidades ao servidor público, é possível que ele apresente recursos administrativos para tentar reverter a decisão ou diminuir a pena aplicada. No entanto, é fundamental que os recursos sejam apresentados dentro do prazo previsto na legislação e que as alegações sejam consistentes e fundamentadas.


Em casos extremos, em que as provas apresentadas não forem suficientes para comprovar a prática do assédio ou em que o processo tenha sido conduzido com falhas procedimentais, é possível que o servidor público acusado de assédio busque a anulação do processo administrativo disciplinar.


Em resumo, o processo administrativo disciplinar em casos de assédio moral e sexual é um procedimento delicado que requer atenção e cautela por parte do órgão público responsável pela condução do processo. É fundamental que todas as partes envolvidas sejam tratadas com respeito e dignidade e que o processo seja conduzido de forma justa e imparcial, garantindo a aplicação das penalidades cabíveis e o respeito aos direitos dos servidores públicos acusados.

397 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page