top of page
  • Foto do escritorAdmin

A possibilidade de realização de acordos em processos administrativos disciplinares

Atualizado: 2 de jun.

Siga o Prof. Aniello no instagram para saber mais sobre suas palestras, cursos, podcasts etc- Clique aqui


Os processos administrativos disciplinares são procedimentos utilizados pelo poder público para apurar infrações cometidas por servidores públicos. Tais infrações podem ser diversas, desde assédio moral e sexual até abandono de cargo, passando por corrupção e improbidade administrativa. Em geral, tais processos podem levar à aplicação de sanções que variam de advertência até demissão do servidor.


Contudo, em alguns casos, é possível que o servidor acusado demonstre arrependimento e disposição em colaborar com a administração, mediante a celebração de um acordo. Nesse contexto, é importante entender como funciona a possibilidade de realização de acordos em processos administrativos disciplinares.


Em primeiro lugar, é importante destacar que a celebração de acordos em processos administrativos disciplinares é uma possibilidade prevista na legislação, mais especificamente no artigo 181 da Lei nº 8.112/90, que dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Segundo esse dispositivo, “o processo disciplinar poderá ser revisto, a qualquer tempo, a pedido ou de ofício, quando surgirem fatos novos ou circunstâncias suscetíveis de justificar a inocência do punido ou a inadequação da penalidade aplicada”.


A partir desse dispositivo, pode-se entender que a celebração de acordos em processos administrativos disciplinares não é expressamente vedada pela legislação, mas sim é uma possibilidade que pode surgir em decorrência da revisão do processo. Ou seja, se surgirem fatos novos ou circunstâncias que justifiquem uma revisão do processo, pode ser que a administração se sinta disposta a negociar com o servidor acusado.


Nesse sentido, é importante ressaltar que a celebração de acordos em processos administrativos disciplinares depende de diversos fatores, como o tipo de infração cometida, a gravidade dos fatos, o histórico do servidor na administração pública, entre outros aspectos. Em geral, a administração só estará disposta a negociar um acordo se entender que isso é benéfico para a administração como um todo, não apenas para o servidor acusado.


Além disso, é importante destacar que a celebração de acordos em processos administrativos disciplinares pode ser uma estratégia vantajosa para o servidor acusado, especialmente se este demonstrar arrependimento e disposição em reparar o dano causado. Em geral, os acordos podem envolver a aplicação de sanções mais brandas do que as previstas em lei, além da adoção de medidas que visem a reparação do dano, como a devolução de valores desviados ou a realização de serviços comunitários.


Contudo, é importante destacar que a celebração de acordos em processos administrativos disciplinares deve ser realizada com cautela e sempre com a assistência de um advogado especializado em direito administrativo. Isso porque a negociação de acordos envolve diversos aspectos técnicos e jurídicos que devem ser considerados para garantir a segurança jurídica das partes envolvidas.


Certamente, a realização de acordos pode ser uma alternativa vantajosa tanto para o servidor público quanto para a administração pública. Isso porque, em muitos casos, o processo administrativo disciplinar pode se arrastar por anos, causando prejuízos financeiros e emocionais para ambas as partes.


Além disso, a celebração de um acordo pode evitar a instauração de um processo disciplinar, visto que muitos servidores podem estar dispostos a corrigir suas condutas mediante a celebração de um acordo.


No entanto, é importante salientar que o acordo em processos administrativos disciplinares deve ser feito com muita cautela e seguindo rigorosamente a legislação aplicável. É necessário que a proposta de acordo seja justa e equilibrada, de modo que não haja prejuízo para a administração pública ou para o servidor público.


O acordo deve ser homologado pelo órgão competente, e as suas cláusulas devem estar expressas de forma clara e objetiva, de modo a evitar interpretações divergentes. Além disso, o servidor público deve ser assistido por advogado de sua confiança, de modo a garantir que seus direitos sejam resguardados.


Por fim, é importante destacar que a celebração de um acordo não é uma obrigação, e que o servidor público tem o direito de se defender no processo administrativo disciplinar. Assim, caso não haja interesse na celebração de um acordo, é importante que o servidor público apresente sua defesa, garantindo seus direitos e demonstrando sua inocência.


Em suma, a realização de acordos em processos administrativos disciplinares pode ser uma alternativa vantajosa para ambas as partes, desde que realizada com cautela e seguindo a legislação aplicável. Cabe aos gestores públicos e aos servidores públicos avaliar a viabilidade de celebração de acordos, sempre buscando o interesse público e a justiça.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page